O que fazer no Chile – De Neruda ao Valle Nevado

O que fazer no Chile – De Neruda ao Valle Nevado

Terra do vinho, do mote con huesillo, da centolla e de muitas coisas mais, o Chile é um destino comum para viajantes brasileiros. Apesar de não ser dos países mais baratos da América do Sul, a experiência compensa. Neste post você encontrará sugestões sobre o que fazer no Chile, incluindo o que fazer em Santiago, como ir ao Valle Nevado, e mais.

O Chile tem muitas atrações, para todos os gostos. Eu já mencionei que gosto de fazer tours guiados nos países que visito, pois é uma ótima maneira de se aprender sobre a história local. Então uma boa dica é buscar uma visita guiada grátis assim que você chegar. Com as dicas do guia, você pode selecionar o que fazer e onde ir, adequando o roteiro aos seus gostos.

O que fazer no Chile, Santiago, América do Sul
Bandeira do Chile

O que fazer em Santiago: 3 a 4 dias

Cerro de Santa Lucia

No centro de Santiago, há dois cerros (ou morros) principais: o de Santa Lucia possui 69 metros de altura e proporciona uma visão panorâmica da capital chilena. Dali se pode ver Santiago rodeada pela linda Cordilheira dos Andes.

A visita ao Cerro de Santa Lucia é grátis. Para chegar no morro, basta apenas que você suba os vários degraus que levam até o topo. O cerro possui estátuas, jardins com muitas árvores e bancos. Há também uma bela fonte com uma escultura do Deus Netuno. Para chegar no pequeno mirante do cerro, basta seguir adiante pelos degraus estreitos e se perder na paisagem.

O que fazer no Chile, Cerro de Santa Lucia, Santiago
Fonte do Deus Netuno, Cerro de Santa Lucia, Santiago

Cerro de San Cristóbal

O Cerro de San Cristóbal faz parte do Parque Metropolitano de Santiago, que tem 722 hectares de extensão. Para subir o morro, é possível ir de carro até uma parte, a pé, de bicicleta, de funicular e, desde 2016, de teleférico. Visitar o cerro em si é grátis, mas é preciso pagar para usar o funicular e o teleférico (para preços atualizados com valores de 2017, clique aqui). Vale lembrar que o funicular faz uma parada no meio do morro, para quem deseja descer para visitar o zoológico, e depois segue até o topo (o bilhete que inclui a visita ao zoológico é mais caro).

O que fazer em Santiago, Chile, Cerro de San Cristóbal, Santuário da Imaculada Conceição
Virgem, Cerro de San Cristóbal, Santiago

O funicular vai até praça, que possui quiosques e um mirante. Seguindo adiante por uma escadaria, se chega no Santuario de la Inmaculada Concepción. O Santuário possui uma capela de pedra super singela; uma das mais bonitas que já vi. Seguindo um pouco mais acima, há também arquibancadas e uma enorme estátua da Virgem com 14m de altura. A vista do pedestal da virgem é belíssima. O lugar transmite uma sensação de pura contemplação e paz e dá pra perder horas ali só olhando a paisagem.

O que fazer no Chile, Cerro de San Cristóbal, Santiago
Capela do Cerro de San Cristóbal, Santiago
O que fazer em Santiago, cerro de San Cristóbal, Cordilheira dos Andes
Vista do Cerro de San Cristóbal, Santiago

Tomar Mote con Huesillos

Não dá para falar sobre o que fazer no Chile e não incluir o mote con huesillo. Bebida típica do país, é uma espécie de suco bastante doce de pêssego em calda com grãos de trigo cozidos e canela. O melhor é tomar a bebida bem gelada. Você pode achá-la em vários pontos da cidade, mas tomá-la contemplando a vista do Cerro de San Cristóbal é experimentar duas agradáveis tradições chilenas ao mesmo tempo.

Chile, Santiago, Mote con Huesillo, roteiro no chile, cerro de san cristóbal
Mote con Huesillo

Experimentar comida chilena (e vinho, claro!)

Eu não sei vocês, mas eu a-d-o-r-o comer. E apesar de eu não comer carne, eu adoro experimentar comidas típicas de diferentes países (desde que sejam vegetarianas, claro).

O Chile possui uma culinária muito rica. E embora muitos pratos tenham carne, eu consegui comer muito bem nos dias que passei lá. Se puder, experimente a marraqueta (pão típico chileno), o ceviche chileno, machas a la parmesana (marisco com queijo), pastel de choclo (uma espécie de escondidinho de carne feito com massa de milho), empanada de pino (pastel assado com carne, ovo, azeitona e uva passa), e o completo (cachorro quente chileno que leva chucrute e abacate). Há muitos outros pratos, mas esses foram alguns dos que vimos por lá.

No mercado central você pode experimentar estes e muitos outros pratos típicos. Pode também comer a caríssima centolla, caso você tenha algumas centenas de reais dando sopa por aí. Só vá munido de muita paciência para lidar com o assédio dos garçons.

La Chascona, Casa de Pablo Neruda

Pablo Neruda, oficialmente Ricardo Eliecer Neftalí Reyes Basoalto, foi um renomado poeta, diplomata e político chileno. Ele ganhou o prêmio Nobel de literatura em 1971 e é considerado um dos mais importantes poetas latino-americanos do século XX.

Portanto, o seu planejamento sobre o que fazer no Chile deve que incluir ao menos uma visita à um dos museus dedicados à Pablo Neruda. Há 3 museus dedicados ao poeta, todos casas onde ele viveu: em Santiago, em Isla Negra e em Valparaíso. La Chascona, em Santiago, foi construída por Neruda em 1953 para sua então amante, Matilde Urrutia. La Chascona era o apelido dado por Neruda à Matilde, devido à sua farta cabeleira ruiva.

No museu se pode ver os cômodos da casa, com objetos originais usados por Neruda e Matilde. Há também diversas coleções de Neruda, que era um acumulador nato, e uma pinacoteca com pinturas de vários artistas. O ingresso custa $ 7.000 pesos chilenos (cerca de R$ 37,00).

Museu Memorial dos Direitos Humanos

Inaugurado em 2010, esse museu relata os abusos da ditadura de Pinochet entre os anos de 1973 e 1990. O museu é grátis e leva umas 2h para visitá-lo. Mas devo avisar que não é uma visita fácil. Eu estudei e trabalhei com direitos humanos e é uma área pela qual tenho paixão. Ainda assim, os relatos expostos no museu me causaram arrepio. Mas vale muito a pena. Porque o objetivo do museu é promover respeito e tolerância para que violações de direitos humanos cessem e não voltem a acontecer. O museu é, portanto, uma excelente oportunidade para conhecer mais da história do Chile.

Museu Chileno de Arte Precolombino

Um excelente museu, é considerado um dos melhores do Chile pelo valor das peças nele expostas. Possui mais de 5 mil peças das regiões culturais Mesoamérica, Intermédia, Andes do Sul, Andres Centrais, Caribe e Amazonas. Portanto, vale muito a pena tê-lo em mente quando estiver decidindo o que fazer no Chile.

O que fazer em Santiago, Museu de Arte pre-colombiana
Museu de Arte Pre-Colombino, Santiago

Esse foi um dos museus que mais gostei em Santiago porque ele vai muito além da exposição das peças pré-colombianas. Nele você acha informações muito interessantes sobre as crenças e costumes das populações de diversas regiões culturais das Américas. Com isso, o museu te dá um ótimo senso sobre como esses povos viviam.

O ingresso para o museu custa 4.500 pesos chilenos (cerca deR$ 23,00). Para visitá-lo, reserve de 2h a 3h.

Museu de Arte Contemporáneo

O museu está situado no centro do Parque Florestal de Santiago, mas possui também um prédio no Parque Quintana Normal. Ele possui cerca de 2600 peças, entre pinturas, esculturas, gravuras e desenhos.

Quando estive no museu, havia uma belíssima exposição do fabuloso artista chileno Patrick Steeger, com esculturas feitas de madeira. A exposição já acabou, mas a visita ao museu ainda vale a pena para quem gosta de arte contemporânea.

O que fazer em Santiago, museu de arte contemporânea
Escultura de Patrick Steeger, Museu de Arte Contemporáneo

A entrada é gratuita e leva cerca de 2h para visitá-lo.

Mais arte e cultura

Há muito o que fazer em Santiago. A cidade possui uma infinidade de espaços culturais para todos os gostos. Além dos museus que já mencionei, há também:

Além disso, há muitos centros culturais, galerias de arte e teatros. Para mais informações, clique aqui.

Prédios e Monumentos Históricos

Há inúmeros monumentos históricos em Santiago que merecem ser incluídos na sua lista sobre o que fazer no Chile. Se você optar por fazer uma visita guiada grátis, provavelmente verá muitos desses pontos e aprenderá sobre cada um deles. Mas caso queira fazer um tour por conta própria, se certifique de passar por estes lugares importantes: plaza de armas; catedral de Santiago; antigo Congresso; Corte Suprema, Teatro Municipal; Bolsa de Valores; Praça Itália; Palácio La Moneda. Além disso, os bairros Lastarria e Bellavista são bairros boêmios famosos na cidade. No Bellavista, onde fica o museu La Chascona, você pode ver artistas de rua e experimentar comida típica e étnica. O Lastarria possui muitas lojinhas, livrarias, museus e teatros, além de ótimos restaurantes.

Palacio de La Moneda, Salvador Allende, viagem ao chile
Palacio de la Moneda, Santiago

Centro Artesanal Los Dominicos

Situado no Parque Los Dominicos, o mercado de artesanato e feira de comida reproduz as características de um povoado tradicional chileno. Composto por ruelas de terra repletas de pequenas casas com tetos de palha, o mercado abriga grande variedade de produtos feitos por artesãos locais. Próximo ao mercado, há também a Parroquia San Vicente Ferrer de Los Dominicos.

Para chegar ao povoado Los Dominicos, basta pegar a linha 1 do metrô de Santiago e descer em Los Dominicos. O preço das passagens de metrô varia de 610 a 740 pesos chilenos, dependendo do trajeto e do horário. Para mais informações sobre o metrô, clique aqui.

santiago, chile, artesanato, los dominicos
Centro Artesanal Los Dominicos, Santiago

Vinícola

Incluir uma vinícola na sua lista sobre o que fazer no Chile é quase que obrigatório. Há muitas opções, desde vinícolas que produzem marcas famosas até vinícolas mais artesanais e um pouco fora rota da maior parte dos turistas. Como tínhamos pouco tempo e queríamos um passeio rápido e de fácil acesso, optamos pelo bastante turístico passeio à Concha y Toro.

Para chegar até a vinícola, você pode pegar a linha 4 (azul escuro) do metrô em Santiago e descer na estação Las Mercedes. De Las Mercedes, você pode pegar um dos mini-ônibus da Concha y Toro, que passam das 9:00 às 16:30, a cada meia hora. Os mini-ônibus custam $ 2.000 pesos chilenos (ou R$ 10,00) por pessoa, ida e volta. Outra opção é pegar um táxi ou os ônibus n. 73, 80 ou 81, que param na vinícola. O táxi custa aproximadamente $ 4.000 pesos chilenos (ou R$ 20,00) o trecho.

O tour na vinícola ocorre todos os dias, das 10:00 às 17:10, e dura cerca de 1h. Há tours em espanhol, português e inglês. A visita custa $ 14.000 pesos chilenos (ou R$ 74,00) e inclui degustação de 3 vinhos e a taça, que você pode levar de presente. Nós levamos entre 3h e 4h para ir e voltar da vinícola. Portanto sugiro que você reserve metade de um dia para ir com tranquilidade.

Santiago, Chile, vinícola, vinho chileno, Concha y Toro, roteiro no chile
Concha y Toro, Santiago

Para quem nunca foi a uma vinícola ou para quem adora o Concha y Toro, vale a pena. A vinícola foi fundada em 1883 e exporta seus produtos para todo o mundo. Mas eu achei o passeio bem superficial. É mais um passeio para “turista ver” e para vender os produtos da marca. Fiz um outro passeio, em uma vinícola mais artesanal na Argentina, e achei bem mais interessante.

Ir a uma boate de salsa

Se você não gosta de dançar, passe para o próximo item da lista. Mas se você é como eu e sente o sangue latino ferver quando escuta salsa, incluir uma ida à uma boate de salsa na sua lista do que fazer no Chile é uma boa pedida!

Alguns clubes ou boates oferecem aulas de salsa e bachata e depois abrem o espaço para todos dançarem. O custo das aulas varia dependendo do lugar. Fizemos aula no Papagayo’s Club e pagamos $ 2.000 pesos (R$ 10,00) por pessoa. Foi divertidíssimo e é uma ótima maneira de conhecer gente nova e se integrar.

Mas se você quer algo um pouco mais típico, podem também buscar lugares onde se dance “la cueca”, a dança nacional chilena.

Isla Negra: 1 dia

Originalmente chamada Las Gaivotas, Isla Negra é uma praia localizada em El Quisco, a 120km de Santiago. Ali se encontra outra das famosas casas de Pablo Neruda, onde o poeta produziu boa parte da sua obra literária e onde está enterrado junto à sua esposa.

O que fazer em Santiago, Isla Negra, Pablo Neruda,
Isla Negra, Chile

Apaixonado por tudo o que se relacionava ao mar, esta casa de Neruda reflete muito da sua paixão e abriga inúmeras coleções do poeta. Algumas bem inusitadas, como carrancas de proa e garrafas de diferentes cores e formas. De vários pontos da casa se tem uma vista privilegiada do Oceano Pacífico. Além disso, nos arredores do museu há artesãos e lojinhas e é possível também ir até a beira praia.

Chile, Isla Negra, Pablo Neruda, roteiro no chile
Um dos interiores da Casa de Pablo Neruda, Isla Negra, Chile

Para chegar a Isla Negra a partir de Santiago, é possível ir de carro ou de ônibus. Os ônibus partem da estação central de Santiago e o trajeto dura cerca de 2h. Nós fomos com a companhia Pullman Bus, que tem passagens a partir de $ 5.200 pesos chilenos (R$ 27,00) cada trecho. A entrada para o museu de Neruda custa $ 7.000 pesos chilenos (ou R$ 36,00).

Incluir uma visita à Isla Negra ao seu roteiro no Chile vale muito a pena. Reservamos um dia para irmos e voltarmos com calma. Almoçamos na vila, demos uma volta na praia, olhamos os artesanatos, e visitamos o museu com tranquilidade. Chegamos de volta em Santiago no fim do dia.

Valle Nevado na Cordilheira dos Andes: 1 dia

Mesmo que você não pretenda esquiar, é legal incluir na sua lista sobre o que fazer no Chile uma visita a alguma estação de esqui na Cordilheira dos Andes. Primeiro, pela vista espetacular. Segundo, pela experiência de ir a uma estação de esqui. Terceiro, obviamente, pela neve (caso você vá no inverno).

Cordilheira dos andes, valle nevado, estação de esqui no Chile
Cordilheira dos Andes, Chile

Mais próximo de Santiago, há três estações de esqui: Valle Nevado, El Colorado e La Parva. O Valle Nevado é a maior estação do Chile e também a maior da América do Sul. Talvez por isso, seja a mais visada por turistas. Possui hotéis, bares, restaurantes e spa, além da estação em si.

Nós optamos por fazer um passeio de um dia ao Valle Nevado. Infelizmente, era início do inverno e ainda não havia neve suficiente para esquiar. Mas é possível visitar a estação mesmo assim. E vale a pena, porque o Valle Nevado proporciona uma vista inacreditável da Cordilheira dos Andes!

Valle Nevado, estação de esqui, Cordilheira dos Andes
Valle Nevado, Chile

Para chegar até lá, você pode alugar um carro ou ir com um tour organizado (transfer de esqui). Não é recomendável ir de carro na alta estação (inverno), pois a estrada é sinuosa e pode ter gelo na pista. Por fim, se você for aventureiro (ou louco) e estiver super em forma, pode também ir de bicicleta. Vimos muitas pessoas subindo a Cordilheira dos Andes de bicicleta.

Há várias empresas que oferecem transfers de esqui para o Valle Nevado e outras estações. Algumas delas são KL Adventure, Turis Tour, Turistik, ou Snow Tours, É importante alugar botas próprias para neve (e luvas, calças e casaco também, caso você não os tenha). Embora não tenhamos podido esquiar, gostamos do passeio. Mas a verdade é que não há muito o que fazer ali não ser brincar na neve, contemplar a paisagem e tomar uma bebida bem quente para esquentar a alma.

Outras dicas

Se você seguir essas sugestões sobre o que fazer no Chile nesse roteiro de 1 semana, é possível que ainda sobre um dia extra para fazer outros passeios.

Uma semana é certamente pouco tempo para este país que tem tanto a oferecer! Viña del Mar, Valparaíso, Parque Nacional Torres del Paine, Deserto do Atacama, e Ilha de Páscoa são algumas das várias riquezas do Chile.

E você, tem outras sugestões sobre o que fazer Chile? Comente abaixo e se inscreva para receber mais dicas de viagem!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *